Por: WeMentor*

Vivemos em um mundo de conectividade – nunca foi tão fácil entrar em contato com alguém do outro lado do mundo, reencontrar um amigo de infância que perdeu contato ou mandar mensagens instantâneas para pessoas queridas. Porém, por mais que essa facilidade em alcançar as pessoas (incluindo você) seja muitas vezes positiva, você já pensou que talvez esteja experimentando consequências negativas e precise fazer um detox digital?

Muitas vezes essa quantidade tão grande de estímulos que estamos sujeitos pode trazer uma dependência com os celulares. Quantas vezes você não olha alguma rede social só porque está entediado ou com tempo livre? Ou se vê distraído rolando o feed enquanto alguém fala com você? Diz pra si mesmo que vai “só dar uma olhadinha” e quando percebe já passou mais de uma hora naquela no Instagram?

Por mais que sejam muitas as vantagens de se viver conectado à internet, se distanciar dos aplicativos também pode trazer muitos benefícios para a mente, o corpo e suas relações – com os outros e com você mesmo(a). São comprovadas as consequências psicológicas desse vício por redes sociais. Muitas vezes não percebemos como somos influenciados pelo conteúdo que consumimos e como inconscientemente nos comparamos às outras pessoas. Além disso, o sentimento de FOMO (fear of missing out – medo de estar perdendo algo, em tradução livre) é muito comum ao ver, em tempo real, o que outras pessoas estão fazendo – e que sempre parece mais legal do que aquilo que estamos fazendo.

Para não entrar neste ciclo vicioso, às vezes só o distanciamento temporário é capaz de ajudar – e é aí que entra o detox digital, um processo para se desligar do consumo excessivo de informações na internet. Veja quatro dicas para ajudar nessa jornada:

  1. Retire as notificações dos aplicativos – se não for possível durante a semana, tente pelo menos aos sábados e domingos, nem que seja por algumas horas, só para começar.
  2. Avalie quais são os aplicativos que mais agem como gatilhos de ansiedade e, se possível, desinstale-os por algum tempo, mesmo que sem desativar a conta. Às vezes olhamos as redes sociais de modo automático, porque se tornou um hábito em nosso dia a dia.
  3. Defina limites de tempo para passar no celular. Às vezes reclamamos que não temos tempo para fazer o que queremos, mas gastamos bons minutos (ou mesmo horas) do nosso dia simplesmente olhando conteúdo que não vai acrescentar em nada na nossa vida. No Instagram é possível definir um limite diário de uso – ao atingir esse limite pré-estabelecido por você, o próprio aplicativo dá um aviso.
  4. Limpe o seu feed. Avalie se as pessoas que você segue nas redes sociais condizem com o seu momento e se os posts delas realmente têm impacto positivo na sua vida. Não continue recebendo diariamente conteúdo que faz você se sentir mal. Se não puder deixar de seguir por ser algum contato conhecido, silencie. No Instagram, é só ir no perfil da pessoa e desativar o recebimento de stories ou fotos (ou os dois). Se em algum momento você quiser voltar a ver, é só reativar.

Sabemos que para pessoas que trabalham com a internet essa pode ser uma jornada um pouco mais difícil. Porém, tente sempre ficar atento(a) ao que realmente é trabalho e quanto é procrastinação ou tédio sendo descontados nos aplicativos. Fazer um uso mais consciente do celular e estar mais presente nas suas ações já é um primeiro caminho muito positivo para ter uma relação mais saudável com essa tão necessária conectividade. Saiba qual é o papel da internet na sua vida e não deixe que ela ocupe mais espaço (e tempo) do que o necessário para atender suas demandas. Você notará que sua atenção ficará menos dispersa e terá muito mais tempo livre para fazer aquilo que realmente quer.

*Por: WeMentor, apoiador do evento, é um programa de mentoria que tem a missão de educar através de mentoria – com a indicação de conteúdos selecionados, mentorias online, portal de cursos e envio mensal de livro. Acesse https://wementor.com.br/ e conheça

Open chat
Powered by